Área de cobertura – Mapa de Cobertura – Mancha de Cobertura

A área de cobertura de uma estação de TV deve ser dimensionada de forma a proporcionar que o sinal esteja disponível para o telespectador sempre que este deseje assistir a programação do canal.

O Limite geográfico é determinado pela localidade de outorga ou consignação do canal  qeu deve ser analisado em função das características técnicas estabelecidas no Plano Básico de TV Digital, normas e regulamentos pertinentes.

O valor numérico que determina a área de cobertura é  chamado de intensidade de campo e é calculado em função do tipo de recepção ( interna, externa, móvel, fixa, portátil)  e das condições ambientais e topográficas (urbanização, ruido provocado pelo homem, edificações, vegetação, topografia,  entre outros).

Diferente da TV Analógica, a qual a população esta acostumada a assistir mesmo com “chuvisco  e fantasma”, para TV Digital existe apenas dois estágios de disponibilidade : como sinal e sem sinal. Por este motivo, para o sucesso da implantação,  é determinante que seja  a viabilidade e determinação da área de cobertura seja elaborado de modo preciso, simulando a ambientação da região o mais próximo da realidade.

A configuração do sistema de transmissão digital, composto pelo encoder, mux e  filtro  também são fatores que influenciam na determinação da área de cobertura.

Após calculado e definido  o valor da intensidade de campo para atender aquela região, calcula-se o sistema propriamente dito de transmissão , que  determinará a potência de operação do Transmissor, o tipo de antena, condições de instalação da mesma  e a linha de transmissão.

 

Como observação: o planejamento de canalização da TV Digital PBTV, bem como as normas e regulamentos, adotam o valor de intensidade de campo de 51 dBuV/m para a faixa de  UHF , para os cálculos e apresentação de projetos para aprovação no Ministério das Comunicações e Anatel. Este valor porém foi determinado em função de uma recepção externa e fixa, e tem por objetivo estabelecer o limite ( o máximo)  que a emissora pode atingir, sem interferir ou ser interferida.  Porém este valor de 51 dBuV/m não determina e nem garante a recepção interna , móvel e portátil, cujo nível de intensidade de campo deve ser analisado cidade a cidade, caso a caso, localidade a localidade, para garantir uma boa recepção do sinal pelas telespectadores.

* figuras : Dissertação de mestrado –  “ POLARIZAÇÃO ELÍPTICA: INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE COBERTURA DA TV DIGITAL”   2011 – Valderez de Almeida Donzelli – Pós Graduação em Engenharia Elétrica da Universidade Mackenzie

 

RETRANSMISSORAS AUXILIARES

As retransmissoras auxiliares serão utilizadas para a cobertura de áreas de sobra ( Gap Filler).

No estudo de cobertura das estação principal poderão ser observadas áreas com tendencias  para o uso  Gap Filler, porem o dimensionamento , projeto definitivo e instalação deverão ser feitos somente após a instalação e comissionamento da estação principal.

 

EXEMPLOS DE ESTUDOS E CÁLCULOS

Predição de Cobertura através de modelos de propagação adequado a região

Levantamento em campo para analise dos sinais  das estações – Transmissão e recepção Verificação de interferências
Análise das condições de recepção
Mapa de Cobertura – Mancha de Cobertura
Mapa de Interferência -Mancha de Interferência
Avaliação das estações, elaboração de Mapas de cobertura para emissoras de rádio AM, FM , OC , de Televisão Analógica e Digital e Telecomunicações
.Se você quer   viabilizar uma nova estação ou um melhorar uma a estação existente nossa equipe de consulta pode ajudá-lo.
Chame-nos para discutir seus projetos .(11 3051 8508 – valderez@adthec.com.br)

Link permanente para este artigo: http://adthec.com.br/adthec/index.php/empresa/tv-digital/elaboracao-do-projeto-tecnico-para-ministerio-das-comunicacoes/cobertura/area-de-cobertura/

Deixe uma resposta